Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.
E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.
Gênesis 12:1-3

xavante_edited.jpg

UI'WEDE

BRASIL, 2018

Mulheres, homens, crianças: demonstrações de força e resistência são constantes no cotidiano da cultura Xavante.
Autodenominados A´uwe (“gente”) - os Xavante empreenderam travessias sucessivas dos rios Araguaia, Cristalino e das Mortes e refugiaram-se definitivamente no leste matogrossense até os dias atuais. Os A’uwe contemporâneos incorporaram a designação “Xavante” e é por meio dela que se referem a si próprios ao lidar com os waradzu (“brancos”). Entre si, porém, os diversos sub-grupos locais que compõem essa sociedade indígena se identificam como a’uwe ou a’uwe uptabi (“gente de verdade")

Lutas corporais como o wa’i e as corridas de revezamento com toras de buriti, chamadas ui'wede, exibem rivalidades entre as metades  opostas. Nas corridas de revezamento, cada participante esforça-se ao máximo ao longo de trechos curtos, portando sobre os ombros uma enorme e pesada tora de buriti (aproximadamente 80 quilos para os homens e 60 para as mulheres). Em seguida, trata de transferir a tora aos ombros de algum outro membro de seu “time”, que fica à espera. Essas toras são transportadas pelos corredores ao longo de trajetos de seis a oito quilômetros, que terminam no centro da aldeia. As corridas sempre envolvem pessoas do mesmo sexo e opõem times compostos, cada qual, por classes de idade das metades ágamas. Apenas adultos podem transportar as toras. Contudo, essas corridas são acompanhadas por todos os membros fisicamente aptos da comunidade, o que faz delas eventos excepcionalmente animados e divertidos. O correr com toras é, sem dúvida, uma das atividades esportivas favoritas dos Xavante.

No wa´i, mulheres também participam e se juntam para lutar coletivamente contra um único homem, segundo elas, "uma oportunidade de lavar a roupa suja", acompanhada pela plateia que se diverte e incentiva as combatentes a seguirem com a luta.

Uma criança Xavante foi o primeiro caso 'oficial' de morte devido à Covid entre os indígenas do estado do Mato Grosso, em maio. Infecções por Coronavírus são uma enorme ameaça à etnia, seja por conta de sua cultura com fortes princípios mutualistas ou pela falta de acesso à saúde pública, causada pelo descaso das políticas voltadas aos povos indígenas.

(LEGENDAS EM BREVE)

1/27

Copyright © 2020 Ana Caroline de Lima

REPRODUCTION IS STRICTLY PROHIBITED WITHOUT PERMISSION, according to U.S federal Copyright Act of 1976.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO, de acordo com a Lei Federal do Brasil nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998
- In God I trust -